2 de fevereiro de 2015

Fim da licença e bebê na escolinha!

Oi, queridos! Saudades de bater um papo bem gostoso por aqui! Preparem-se, pois vou falar muito! Adoro mega posts!!!

Então, pessoal, fazendo um resumo da minha nova vida de mãe, posso dizer que é simplesmente um sonho realizado, o melhor de todos, sem sombra de dúvidas! Passado o primeiro (caótico) mês de vida do bebê, as nossas vidas melhoraram muito! Com a rotina iniciada no segundo mês, o fato de ensinarmos ao bebê a dormir antes das 20 horas, o fato de ele começar a dormir a noite toda antes dos 3 meses de idade, tudo isso foi nos dando mais tempo, devolvendo momentos de vida importantes, para mim, para o Jean como indivíduos e como casal.

Voltei a ter tempo de me cuidar, de exercer minha vaidade, de planejar um programinha com o marido...


Pudemos nos dar ao luxo de fazer saídas noturnas e diurnas e, mesmo em casa, fazermos coisas diferentes, como fazíamos no nosso primeiro ano de casados. A "privação" que a maternidade trouxe nos fez ficar mais criativos e realmente buscar por um tempo de qualidade juntos. Durante a semana, é tudo muito corrido e, como tudo parece vir ao mesmo tempo na vida, o Jean ainda precisou iniciar um MBA e sessões de coaching, devido a demandas do cargo que ele ocupa. A carga de trabalho dele também aumentou, pois foi promovido um mês antes do nascimento do Gabriel. Mais responsabilidades, mais trabalho, menos tempo para a família. Por isso mesmo, temos buscado criar tempo para curtir a dois e digo que foi muito bom, pois os anos de casamento vão trazendo uma certa acomodação e hoje, eu e o Jean valorizamos cada sexta e cada sábado à noite e procuramos fazer coisas juntos.

Outra coisa muito boa é que voltamos a receber e visitar amigos! E eu voltei para a cozinha fazendo receitinhas! Uhuuu!
Sobre a minha licença maternidade, posso dizer que aproveitei demais o Gabriel! Filmei cada passo do seu desenvolvimento, fotografei cada gracinha, vivi intensamente os primeiros seis meses de vida do meu pequeno! Tudo foi novidade para mim também, porque nunca na vida passei tanto tempo em casa, sendo dona de casa e mãe em tempo integral.
Inclusive, posso colocar na minha lista de séries favoritas de TV, a que marcou o período da minha licença maternidade: Desperate Housewives! Eu comecei a assistir em algum ponto da licença que não me lembro qual, me identifiquei tando com todas aquelas mulheres e concluí a última temporada bem no finalzinho dos seis meses. Fim de um ciclo, definitivamente!

Digo hoje que entendi o significado da expressão "Rainhas do Lar". Porque uma mulher que faz a opção de ser uma dona de casa, de abrir mão do trabalho para cuidar dos filhos e da casa, realmente merece ser chamada de rainha. Porque, queridos, é um trabalho difícil demais! Eu confesso minha absoluta pouca ou nenhuma vocação para o ofício de dona de casa e mãe em tempo integral e admiro muito as mulheres que têm essa força e essa coragem. Guerreiras, recebam o meu aplauso!!! Porque eu, mesmo tendo faxineira, passadeira, pegando almoço fora, não dava conta! Um bebê e uma casa demandam cuidado constante, é preciso muito talento!

E então a minha licença acabou, e acabou da maneira mais radical possível, com uma viagem de trabalho três dias, já na segunda feira de retorno. Tomei um choque, pois queria uma transição mais suave para o meu filhinho. Mas encarei. Quinze dias depois, de novo no avião. E as selfies passaram a ser nos hotéis e nos aeroportos...
Foi gostoso voltar a um ritmo de trabalho, me arrumar para sair, conversar com pessoas diferentes. Em diversos pontos, eu gostei. E fiquei super bem em São Paulo, principalmente devido ao fato de saber que o Gabriel estava feliz e tranquilo em casa, sendo cuidado pelos meus pais e pelo Jean. Na primeira semana, eu ligava ou perguntava no whatsapp sobre ele e sempre me informavam que estava bem, o que era verdade. As saudades eu amenizava pela câmera do quarto dele, o vi brincando, sendo trocado, posto para dormir... Me ajudou muito essa bênção de câmera! Até cheguei a pensar que ele não estava se lembrando de mim, de tão bem que ele estava. Mas, minha mãe me contou que ao dizer mamãe ele chorava e ao ouvir minha voz pelo whatsapp, ele chorou também. Ufa!... Meu filho se lembrava de mim!
E o dia do meu retorno foi uma delícia! Ele estava tomando banho com o Jean e me olhou assim meio com cara de paisagem. Mas\ depois, no berço, me abraçou e me encheu de beijos, rendendo um dos vídeos mais legais que já fizemos! Muita gente me contou que viu inúmeras vezes (eu também)!!!

Só que, após o meu retorno de viagem, eu percebi que a minha ausência desencadeou nele a crise dos seis meses. Existe um texto bem esclarecedor sobre o que é esta crise neste site aqui, explicando no detalhe. Eu saí de casa ainda na madrugada de segunda feita e exatamente na primeira noite da minha ausência, ele começou a acordar várias vezes entre 20 horas e meia noite. E, às vezes, acordava uma vez na madrugada também. Era preciso irmos lá no berço, passar a mão nele para que ele se acalmasse e dormisse novamente. Essa crise durou exatos 17 dias. Pobres dos nossos bebês, acabam sentindo mesmo... Concluímos que é preciso um ajuste na minha vida profissional, nessa questão das viagens constantes, etc e tal, porque não ficou legal para meu filho. Mas, por mais que eu mude a minha vida, no ponto da minha carreira, é impossível que eu não tenha uma viagem para fazer ocasionalmente. Por isso, todo mundo tem de se adaptar mesmo.

Como eu vejo a questão da carreira x família? Deixar de trabalhar para mim não é uma opção por dois motivos: primeiro que, pelo nosso padrão de vida, pelas coisas que a gente almeja ter e oferecer para o Gabriel, os dois precisam trabalhar. Segundo é que eu quero ter uma carreira, é uma necessidade e uma vocação para mim. Na verdade, existem os defensores dos dois lados e sempre vai ter alguém detonando um deles: se a mãe trabalha fora, vai ter quem diga que é um absurdo, uma crueldade com a criança, mãe sem coração, por que foi por filho no mundo, etc. Se a mãe opta por ficar em casa, vai ter sempre um preconceituoso chamando-a de Amélia, que absurdo num mundo desses não trabalhar e deixar tudo por conta do marido, que fica a toa e não faz nada em casa (um total absurdo dizerem isso)... Enfim, se nem Jesus Cristo agradou todo mundo...

Para mim, o que importa é que eu estou lutando para dar o melhor para o meu filho. E que, nos momentos em que eu passar junto a ele, eu lhe dê toda a atenção, amor e cuidado que ele precisa. 

Mas, vamos falar agora sobre a escolinha? Eu e o Jean escolhemos a escolinha para o Gabriel já no segundo mês de vida e eu falei sobre isso neste post aqui. A escolinha solicita uma lista grande de materiais, porque o período é integral. E eu organizei a mini mudança dele assim:

Aqui está tudo o que eles pediram, roupas, materiais de higiene, roupas de cama, brinquedos.
Na lista eles pedem para enviar roupas para diferentes temperaturas, pois podem ocorrer mudanças climáticas no decorrer do dia. Para facilitar a minha vida, eu montei cinco kits com roupinhas para a semana. Assim, eu me livro de arrumar a bolsa dele toda noite. É só colocar o kit do dia!
Cada kit tem: uma camiseta sem manga, um body manga curta e um manga longa, um shortinho, uma calça, uma fralda de boca, uma fralda de ombro e uma meia.
Em uma caixa vão produtos de uso diário, tudo com o nome da criança
Mandei também o chapeuzinho e o filtro solar para o banho de sol.
Pediram na lista dois brinquedinhos preferidos e um livro de plástico.
Pediram babador e tenho de contar para vocês minha experiência com babadores: eu comprei o kit da Carter's e uma amiga deu também um babador fofo, então ficamos com quatro babadores. Gente, precisa ter uns dez!!! A cada refeição, o babador fica imundo! Quando vi este de plástico, pensei: vou testar para a escolinha. Aprovadíssimo! Fica super firme no pescoço tampando tudo, tem uma bolsinha cata resto embaixo, limpa fácil com pano. Deixei os de pano para usar em casa e esse foi para a escola.
Lancheira térmica da marca que está super bombadinha a skip hop. Coisa mais cara isso, gente! Aliás, horrorizante os preços de tudo para criança, desde utensílios até escola, festa de 1 ano, tudo carísssimo, ter filho é caro demais, pessoal, temos que ralar e trabalhar muito!!!
Roupas de cama e banho e saco de roupa suja.
Sacola com mais coisas que eles pediram, tudo com nome:
Fraldas, algodão, lenços umidecidos e de papel, sabonete líquido (uso o cabeça pés até hoje, funciona como shampoo, acho ótimo) e um rolo de saquinhos plásticos.
Mandei também uma lata do leite que ele toma para o lanche das 17 horas.
E as papinhas! Vou fazer um post com essas duas papinhas que fiz e mostrar todos os utensílios da minha fábrica de papinhas, rsssss, que está funcionando super bem, faço papinha suficiente para duas semanas e o bebê está comendo tudo!
E, para eu ficar tranquila e a equipe de berçaristas também, fiz uma folha com a rotina dele e uma programação das frutas da semana. Existe a opção de mandar a fruta todo dia ou enviar semanal. Nós optamos por já enviar para a semana toda, bem mais prático. O que eu quero é me livrar de ter de ficar no preparo de coisas todo dia à noite ou pela manhã. Do jeito que está programado, é só colocar o kit de roupas na bolsa e a papinha do dia na lancheira, pois o resto já fica na escola. Quem já me conhece aqui do blog sabe que eu planejo tudo super no detalhe, mas é a maneira que eu sei viver e deixar as coisas no jeito para não ter trabalho depois!


E aqui, a foto do pequeno indo para a escola, com sua lancheira maior do que ele, kkkkkk! 



Sobre o dia na escolinha, foi do jeito que eu imaginei, super tranquilo! Eu e o Jean fomos cedo levá-lo, entregamos as coisas, conversamos um pouco com a berçarista que o recebeu e com a coordenadora pedagógica e ele já foi de início para o braço da berçarista sem chorar. Ele só chorou na hora em que ela o colocou em um cercado tipo de espumas, que elas chamam de estimulação. Ele costuma chorar quando o colocamos pela primeira vez em algo que ele não conhece (foi assim com a cadeira alimentação). Quando eu e o Jean fomos embora, ele nem notou, pois já estava com um brinquedinho da escola na mão e junto a outros dois bebês, encarando-os e fazendo amizade, kkkk. Familiares acharam que eu ia ficar triste, com aperto no peito. Que nada! Acho que talvez eu seja moderna demais, mas tudo o que eu queria é que ele fosse para a escolinha, conviver com outras crianças e se desenvolver.

E, quando eu fui buscá-lo, vi que as coisas fluíram exatamente como eu esperava: ele ficou tranquilo, deu uns chorinhos quando estava com sono, que são choros normais de qualquer criança, comeu bem, tudo certinho. A coordenadora pedagógica falou que, quando a mãe é tranquila, a criança fica bem. E, assim que eu cheguei na escola, vi uma cena que me deixou muito feliz! Os bebês estavam todos na área externa, que possui um gramado artificial, e as berçaristas estavam cantando para eles. E o Gabriel estava no colo de uma delas, interagindo com os bebês. Era tudo o que eu queria!

Bem, deu para vocês verem que está tudo certinho por aqui e que eu tenho de agradecer imensamente a Deus, meu maior amigo, meu protetor, meu tudo. Em breve volto para postar as papinhas que estamos fazendo.

Beijos, beijos, beijos,

Kate

Update:
1 - Esqueci de contar que ele ficou super empolgado quando chegou em casa. Na garagem, ao ficar de frente para a porta do elevador, reconheceu que havia chegado em casa e começou a pular no meu braço como um sapinho saltitante, rsss. Foi saltitando por todo o trajeto até a porta de casa. Ele e Bruce fizeram uma bela farra um com o outro.

2 - Bate uma saudadezinha na metade do dia... Nada que não se possa amenizar dando uma olhadinha nas fotos do pequeno!

22 comentários:

  1. Parabéns pela sua postura, Kate!Ainda não sou mãe, mas é comum encontrar mães se sentindo culpada por ter que deixar seus babies em creches ou não sabem administrar a distância. Creio que a chave de tudo é olharmos a nossas decisões como nossos próprios olhos e não com os dos outros e sem fazer comparações, afinal, temos necessidades diferentes. Desejo uma boa jornada pra vc e seu baby e que venham muitas descobertas. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Danny, obrigada. Eu acho que o meu caso funciona assim: para todas as decisões da minha vida, eu penso por um bom tempo, amadureço e analiso todas as variáveis antes de tomar a decisão. Com isso, eu não costumo me arrepender e a coisa dá sempre certo. No caso do Gabriel, essa questão da escolinha teve tanto tempo para ser absorvida por mim e pelo Jean, que ficou super fácil de nos adaptarmos. Culpa zero, porque é fato que a escolinha desenvolve bastante a criança e que a adaptação é melhor quando vão bem novinhos. Muito obrigada por tudo e fique com Deus!

      Excluir
  2. Olha admiro vc, eu q não sou uma mãe tao tranquila assim fico pensando q posso estar errando, mas a mim serve o q esta dentro das minhas possibilidades
    Eu fui uma pessoa q optou por deixar a carreira de lado e viver a maternidade 24 hrs e te digo alem de no ser fácil nem emocionalmente nem financeiramente o mais difícil e as bobagens q eu ouço!!!! Da vontade de sair correndo tem hora, mas eu não me abalo e não troco esse papel de agora por nada pois eu não estava satisfeita no q fazia então vou aproveitar para estudar e curtir minha filha
    Bjoo adorei o post e to doida pelas receitas mês q vem inicio o papa da Stella

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dayanne, tem de ignorar a conversa fiada da galera. É tanta bobagem que se escuta, não? Aproveita mesmo para estudar, aproveita de verdade, pois pode ser um oportunidade de ouro que Deus está te dando. De repente, até aparece um concurso bom, hein?! #tomara. Vou colocar as papinhas nesta semana mesmo, vou tirar uma noite para escrever. Beijos!!!

      Excluir
  3. Parabéns pelo seu bb lindo Kate, adoro suas dicas.
    Me diz como vc conseguiu colocar seu bb para dormir direto a noite toda....
    Minha princesa Sofia fará 3 meses amanhã e ainda acorda no meio da noite para mamar.
    Bjs
    Juliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dormir a noite toda depende da maturidade do organismo da criança. Eu considero que eu ter colocado o Gabriel para dormir no quarto dele desde o primeiro dia contribuiu para o amadurecimento rápido dele. E a última mamada é bem reforçada, antes era nos dois seios e agora são 260 ml de mamadeira e muitas noites ele quer um complemento, dou peito ou mais 30 ml de mamadeira. Ele mama antes das 20:00 h. Não dou mamada dos sonhos do livro da Encantadora de bebês (23:00 h com o bebê dormindo), porque não precisa para ele. Mas, no livro fala que essa mamada dos sonhos ajuda a dormir a noite toda.

      Excluir
  4. Que lindo! Adorei o post! O Gabriel se adapta bem com tudo né? Vcs pretendem ter mais filhos, Kate?
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, ele se adapta super! Ontem, veio na agenda que ele está de parabéns, porque se comportou como um príncipe! Não pretendemos ter mais filhos. Eu tinha vontade de adotar um, mas está uma coisa meio distante, o Jean não é totalmente favorável por causa de casos que ele conhece, então não sei se algum dia vai acontecer. Mas, engravidar novamente, não! bjo

      Excluir
    2. Kate fico incomodada quando estou numa roda de "amigos" e alguém pergunta se desejo mais filhos... Quando eu respondo que não ... As outras mães sempre diz que meninO criado sem irmão fica muito mimadão ou usam outras palavras que eu considero pejorativa... No ultimo evento que fui ainda ouvi que meninA não tem problema ser filha única pois já será de qualquer forma dengosa, mimada, terá frescurinhas mas menino é ruim...

      Fico com tanta raiva ao ouvir isso mas não tenho uma boa resposta ... Você que é bastante esperta e integrante como se sairia dessa situação por cima?! Bjos!

      Excluir
    3. Ah, não sou tão esperta assim, viu? Porque também já passei por esta mesma situação várias vezes e quando eu falava que não quero ter mais, sempre a outra pessoa vinha com mil argumentos. Sabe o que ando fazendo? Não falo mais! Quando alguém pergunta diretamente, ainda falo que talvez adote, para morrer o assunto. Mas, quando alguém diz assim: "no próximo filho vai ser assim, vai ser assado", eu só dou um sorriso e não falo que não vou ter. Muito desgastante ter de ficar dando explicações e ouvindo retrucos das pessoas!

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Oi. Meu filho começa na creche na próxima semana. Estou organizando as coisas dele e achei muito legal a ideia de montar os kits comas as roupas. Onde você comprou essa sacolinha para colocar as roupas dele? Essa sacolinhas dos kits, de material branco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem um post onde eu falo onde comprei estas sacolinhas. Por favor, procure na tag maternidade, na lateral do blog e aparecerão todos os posts relacionados e você vai encontrar. bjos.

      Excluir
  7. Que fofo, mãe é a coisa mais linda do universo. Também tenho um bebê que está com 5 meses e mês que vem quando acabar a minha licença também vou coloca-lo na creche. Bjs
    http://ofantasticomundodairis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Põe sim, Iris, só esteja preparada para as viroses, porque elas vão acontecer. Mas, faz parte da formação da imunidade da criança. Estou muito satisfeita em ter feito esta opção.

      Excluir
  8. !Kate quando for mãe, falo muito muito sério, quero ser igual você. Nossa acho muito bacana sua forma leve de encarar as coisas, sem neuras. Seu ra!ciocínio é muito certo. E seu planejamento então??? Sem palavras. Parabéns por toda essa sua dedicação, um super exemplo para as mães! Gabriel tem muita sorte de ter uma mãe como você.

    bjusss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma coisa que tenho certeza é que você vai ser uma mãe suuuuper zelosa, Geh!

      Excluir
  9. Kate você introduzi lo leite artificial com quantos meses? Também vou por minha filha na creche e sei que tem que adaptar antes mas fico com medo dela largar o peito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui começando aos poucos com 4 meses. Li vários casos de bebês que não pegaram a mamadeira e as mães passaram o maior aperto. E o Gabriel também não pegou no início. Tive de ir dando na colher para depois de umas duas semanas ele aceitar a mamadeira. E imagina se não tivesse feito isso? Quando voltei de licença, tive de passar 3 dias em São Paulo!

      Excluir
    2. Não larga não! Aqui, fomos substituindo o peito por mamadeira aos poucos e o Gabriel só largou de vez agora com 8 meses!

      Excluir
  10. Conheci seu blog quando estava procurando alternativas para comprar roupas da Carter's sem precisar viajar. Seu post e video me ajudaram bastante, e este agora também. Ainda estou com 36 semanas, mas já sei que a escolinha/creche em tempo integral vai ser a melhor opção pra mim (se não a única). Como algumas escolinhas aqui fazem reserva, tive que começar a pensar no assunto mesmo antes do bebê nascer. Parabéns pelo blog e pelo baby lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo caso nosso. Fiz a matrícula em outubro para começar em fevereiro. Se não olha com antecedência, não consegue depois! Beijos e Deus abençoe vocês!!!

      Excluir