28 de janeiro de 2019

Tilápia ensopada com pirão - Almoço de domingo

Oi, Pessoal!
Segue a receita do vídeo de hoje no canal.





Ingredientes

1 kg de filé de tilápia
5 tomates grandes sem pele e sem sementes picados grosseiramente
1 cebola grande em rodelas
3 pimentões em rodelas (verde, amarelo e vermelho, um de cada)
Salsa a gosto
Azeite a gosto
Tempero alho e sal a gosto
Sal a gosto
Pimenta-do-reino a gosto (vide observação no final da receita)
Suco de 1 limão
Um pouco de água

Modo de fazer

Reserve o filé de peixe em uma mistura de limão e tempero alho e sal a gosto. Temperar pelo menos 1 hora antes de fazer.

Em uma panela, coloque azeite e refogue tempero alho e sal  e a cebola em rodelas. Adicione o tomate picado grosseiramente (já sem pele e sem semente) e os pimentões em rodelas. Se você gostar, também pode acrescentar cebolinha e coentro. Adicione pimenta do reino a gosto (vide observação ao final da receita).

Coloque na panela com um copo de água, tampe a panela e deixe ferver bem em fogo baixo.

Escorra o peixe, o adicione ao cozimento e cubra os filés com parte do molho e legumes que estão na panela. Não mexa e deixe tudo cozinhar por cerca de 20 minutos. Vá conferindo se o peixe está cozido, não deixe cozinhar demais, senão ele irá se partir em pedaços pequenos. Após este tempo é só acertar o sal e acrescentar a salsinha.

Para fazer o pirão

Em uma panela, adicione um pouco do caldo formado no cozimento e vá adicionando farinha de mandioca aos poucos, até ficar na consistência que você deseja. Continue sempre mexendo para que não embole. 

Obs.: Caso tenha crianças pequenas entre os seus convidados, é melhor não colocar a pimenta do reino e oferecer molho de pimenta à mesa para os adultos temperarem o peixe a gosto.

Segue o vídeo:





21 de janeiro de 2019

Segundo filho, ter ou não?



Meu relato para vocês sobre o segundo filho e todos os sentimentos que inundaram a minha cabeça. Parei a pílula e o que vem a seguir? O momento de parar de tomar anticoncepcional e pensar em ter o segundo filho. Ter ou não ter?

Viagem no Trem da Vale Vitória-Minas

Neste ano, fomos passar as férias em Governador Valadares de trem. Passagem de avião para o período do Natal custando R$3.600,00 para mim e Gabriel era uma coisa impossível de se pagar (ida e volta, cotada com 1 mês de antecedência). Não vale, menos de uma hora de voo, um absurdo. Consegui achar umas últimas passagens de trem e tivemos de ir em datas diferentes (eu e Gabriel separados do Jean). O preço do executivo é R$72,00. 

O trem é tudo de bom, exceto o exceto, rs, que conto no final.

Espaçoso, ótimos espaços para malas, confortável, tomadas, mesinhas, serviço de bordo e entretenimento. Nada a dever aos trens da Europa em relação a conforto. Inclusive, eu li que o trem foi comprado de um país Europeu.

O serviço de entretenimento à bordo também é ótimo, como muitos filmes, shows, músicas que você pode curtir do seu celular. Ou assistir nas televisões à frente das poltronas. 



 
O serviço de alimentação é feito através de carrinhos ou pelos vagões restaurante e lanchonete. Você pode pedir o seu almoço com antecedência e eles trazem até o seu assento e você almoça na sua poltrona. Ou vai almoçar no restaurante. Achei muito bom.
A poltrona é macia, daquelas que te abraça. E o espaço interno é muito maior do que um avião comercial comum. Eu como mãe esperta, levei várias distrações como jogos e livros material de desenho. Deu super certo.
  



Cada um curtindo a sua atividade! 
Pedimos um escondidinho de carne, que por sinal achei delicioso, e comemos no conforto da nossa poltrona. Gabriel raspou o pratinho.
 Depois, foi batendo o soninho e...dormiu. Acordou em Valadares.

Achei a viagem super gostosa, mas aí vem o exceto: Tudo é ótimo, exceto o tempo de viagem. O trem é lento; na verdade, em alguns momentos da viagem, eles desaceleram o trem. Imagino se não é para priorizar trens de minério que também usam os trilhos. Com isso, a viagem que já é longa (em torno de 6 horas) atrasou 1h30 minutos. 

Sabem quantos passageiros viajaram neste dia? 1.500 passageiros, sem contar os que embarcariam em Valadares, rumo à Vitória. Em um país enorme como este, porque não investir nas ferrovias? Na Europa, os trens são super valorizados. 

São essas coisas que precisam mudar no nosso país. Passagens aéreas nas alturas e um potencial enorme para ampliar a malhar ferroviária. Falta vontade! Espero que isso mude algum dia.

Gabriel me falou ao ao final da viagem: Da próxima vez eu quero ir de avião, mamãe, o trem demora demais. 

Um garoto de 4 anos que já percebe as falhas de um mercado que poderia ser muito melhor, e porque não dizer, lucrativo.

3 de setembro de 2018

Museu Nacional - a triste história do descaso estatal



As cenas do Museu Nacional sendo consumido pelas chamas ainda machucam os corações dos brasileiros e de grande parcela dos amantes de história e cultura no mundo, mesmo horas depois do incêndio ter sido controlado. Agora que tudo se resume a cinzas, a dor da perda se reflete na indignação pela negligência de um Estado marcado pela corrupção e pelo peso desigual com que a cultura e a subcultura são tratadas no país.
Bicentenário, o Museu Nacional guardava em suas salas – a maioria delas infestadas por cupins – muito mais do que duzentos anos de história. Entre as peças do acervo de 20 milhões de itens, encontravam-se fósseis de dinossauros, múmias embalsamadas com métodos singulares e artefatos de tribos indígenas extintas. Uma perda imensurável. Uma revolta que extrapola as fronteiras nacionais.
O aspecto mais relevante da tragédia anunciada é o descaso do governo brasileiro. O projeto de incêndio do museu tramita há mais de 5 anos no BNDES, emperrado por seus técnicos burocratas e pelo instituto de patrimônio, IPHAN, que, sob o argumento de proteger o acervo, delongou o processo. Outro ponto que deixa a todos incrédulos é a constatação de que, até o presente mês de 2018, o museu recebeu pouco mais de R$50 mil para despesas de manutenção do edifício, sendo que o orçamento mínimo necessário seria de R$ 600 mil reais. Tal valor é inferior a um par de brincos que a antiga primeira dama Adriana Ancelmo comprou para si, utilizando dinheiro desviado do governo do Rio de Janeiro. E o que dizer da Lei Rouanet? Considerando que milhões de reais são anualmente destinados para montagens artísticas e eventos de duvidosa qualidade, bem como para eventos de artistas milionários, nos quais existe a cobrança de ingressos, resta-nos concluir que não vivemos em um país sério.
Oportunista e ridícula é a súbita união de forças articulada nesta manhã pelo “presidente” Temer, a fim de reunir recursos para a rápida reconstrução do Museu. Meu caro, devo dizer que o seu esforço está um pouco atrasado...
E atrasado segue o nosso país. Mentes atrasadas, políticos que nos embaraçam moral e economicamente. Que futuro esperar de uma nação que não preza pelo seu passado?